sábado, 17 de abril de 2010

Miminhos eróticos Parte III - Uma nova chegada

Hmmm, segunda-feira, acabadinho de acordar depois de sair do duche, passando pela cozinha para preparar o pequeno-almoço.
Devem estar a imaginar a casa de um jovem de 25 anos, empregado e solteiro..completamente o caos.
Pois bem, este fim de semana não estive em casa, não pude tratar das lides domésticas, mas quando voltar do emprego lá terei de o fazer senão nunca mais.
Não sei se já tinha dito mas faço parte de um jornal regional e encontro-me actualmente na parte da redacção.
Já lá estou há dois anos e foi lá que conheci Camila, num jantar de Natal.
Ela é repórter e trabalha lá há mais tempo do que eu, cerca de 6 anos.
Foi amor à primeira vista quando a vi cruzar-se no meu departamento depois de uma entrevista dada a um dirigente político.
Agora que penso, desde esse jantar que a minha relação profissional e particular com Camila tem evoluido. Começámos com conversas banais mas depois começámos a sair, cafés e restaurantes, dentro do horário de refeição pois tinhamos a mesma hora para almoçar.
E foi com o desencadear dessas saidas profissionais que o sentimento começou a vir ao de cima e cada vez que falava com ela o meu coração bombeava a mil à hora.
Apesar de não ser uma relação assumida por ambos, sabemos que este fim de semana não foi apenas um fim de semana diferente.
Houve magia, fantasia, mas também romance e sonho.
A ver vamos como as coisas correm.
Olho para o relógio e vejo que já são 7.30h.
São horas de despachar-me.
E lá vou eu no meio do trânsito com o meu Sirocco para o jornal.
Cheguei mesmo em cima da hora, e assim que vejo encontro Camila, como se estivesse à minha espera.

- Bom dia António, ainda bem que te vejo. Preciso de falar-te!
Bem, lá pensei eu.."não me digas que ela se arrependeu de ter passado o fim de semana comigo..."
Cumprimentámos com dois beijo na cara, mas com um olhar cúmplice que me deixou o coração sossegado.
- Olá Camila, que me queres dizer?
- Houve um assalto a um banco, os assaltantes encontram-se lá dentro com 12 reféns. A polícia encontra-se já lá com o edifício cercado. Eu fiquei com a cobertura, preciso de ti, vou-te dando os pormenores quando lá chegar e preciso que me faças por agora um esboço dum possível texto para podermos apresentar ainda hoje numa edição especial, talvez em directo.
- Ok Camila, vai-me dando material que vou fazendo os possíveis!
- Obrigado António, não sei o que faria sem ti aqui no jornal, e fora dele também!

Despediu-se com um beijo na boca, que me surpreendeu e desapareceu com o carro para o local do crime.
E lá fui andando para a area da redacção.
Os meus dias são quase os mesmos, começo sempre por ver o email, depois vejo o trabalho que tenho por fazer e ainda o trabalho dos colegas que estão há pouco tempo, para dar-lhes uma mãozinha no que for preciso.
E foi nesse momento, já depois de ver os emails, depois de ver o trabalho que tinha de fazer, que vi entrar uma mulher, aparentemente linda, parecendo meio perdida por ali.
Dirigi-me a ela e cumprimentei-a profissionalmente com um aperto de mão.

- Bom dia, eu sou o António, precisa de ajuda?
- Olá bom dia, eu sou a Mafalda. O Sr.Tiago pediu-me para vir ter consigo. Sou a nova repórter do jornal..
- Ah sim, prazer Mafalda. O Tiago falou-me por alto que iria chegar esta semana mas nunca pensei que fosse já hoje.Mas diga-me, chegou há muito tempo?
- Não não, cheguei há coisa de 5 minutos e o Sr.Tiago disse-me para vir aqui para fazer-me um tour pelo jornal.
- Pois bem, então assim será. Deixe-me mostrar o edifício, alguma dúvida não hesite e esteja à vontade para perguntar! Malta ouçam-me por 2 minutos, esta senhora é a Mafalda, a nova reportér cá do sítio!

E começei a apresentar a equipa de redacção.
Assim que terminámos as apresentações, começei por guiá-la pelo edifício, nos vários departamentos, apresentando-a ao máximo de pessoas para Mafalda se sentir à vontade e disponibilizando também a minha ajuda para o que for preciso, pois sei que nesta fase inicial é sempre complicado fazer o que quer que seja.
E depois tentei pôr ela à vontade, perguntando onde tinha trabalhado antes e se era aqui da zona, quando ela me respondeu que era do Algarve, que estava em Lisboa desde a semana passada mas ainda estava no hotel pois não tinha encontrado casa.
E acabei por dar-lhe a conhecer o parque de estacionamento, que certamente ela já conhecia, mas como até estava sol, quis ir um pouco lá fora apanhar calor.
Disse-lhe que se ela precisasse de ajuda que poderia contar comigo, ainda falei-lhe numa zona relativamente perto do jornal onde estavam casas à venda e outras para alugar.
E foi ai que vi o 1º sorriso dela desde que tinha chegado, e digamos que admirei o sorriso que ela esboçou porque reparei que fazia covinhas.
E levei com uma pergunta, um pouco timida.

- António, posso saber porque me olha assim tanto?
- Por nada, apenas vi que tens um sorriso querido por causa das covinhas..
- Só tenho as covinhas, quando estou com pessoas que me deixem..pouco a vontade.
- Mas espero não ter dito ou procedido de forma errada. Lamento se o fiz Mafalda!
- Não António, o que quis dizer não foi nesse sentido..acho-te sexy..
- A mim?! Não concordo, não tenho nada ar de sexy..
- Eu não conheco-te porque só nos cruzamos hoje, até posso estar errada..mas..

Pôs-se em bicos de pé e surpreendentemente, beijou-me ao qual eu sem intenção retribui..

E agora?

2 comentários:

Minhoca disse...

E agora pergunto eu :)

biazinha ~ disse...

Vamos ver o próximo post :p